Recursos didáticos auxiliares (Filmes para aulas)

 

 

A Fraude
(Rogue Trader)
Direção de James Dearden, Inglaterra, 1999.
A Fraude 
Tópicos explorados: Derivativos, Compliance, Regulação, Fraude.

Adriano Leal Bruni
albruni@minhasaulas.com.br

 

Os mercados de derivativos representam uma das mais importantes inovações financeiras já ocorridas, permitindo comprar e vender riscos associados aos mais diversos ativos.

As atividades com eles desenvolvidas podem envolver o hegde (ou a busca de proteção financeira), a especulação (a busca de maior retorno, associada a um maior risco) ou  a arbitragem (o aproveitamento de falhas momentâneas de preços).

Porém, a mídia gosta de explorar os retumbantes fracassos de instituições financeiras associados às operações com derivativos. Nas minhas aulas eu costumo discutir alguns destes casos.

Um dos casos mais graves e notórios associa-se à quebra do banco inglês Barings, retratada no filme A Fraude (Rogue Trader), com roteiro baseado em fatos reais, relatados pelo operador Nick Leeson em suas memórias.

Leia a crítica e as notícias apresentadas a seguir, assista ao filme e tente responde às perguntas que eu formulo a seguir.

 

Analisando "A Fraude".

Disponível em: <http://www.choveu.net/locadorafilme/dvd.aspx?keyfilme=155>  . Acesso em: 23 jul. 2008.

Ewan McGregor (Cova Rasa, Transpotting, Star Wars - Episódio I) mais uma vez interpreta um personagem marcante. Desta vez, na história de um homem jovem e ambicioso que se rende aos riscos e acaba levando à falência uma das mais antigas e bem sucedidas instituições financeiras da Inglaterra. Quando é enviado a Singapura, pelo tradicional Barings Bank, tudo que Nick Leeson quer, como negociador de mercado futuro, é a chance de fazer dinheiro com ações. Porém, enquanto os dirigentes do Barings Bank comemoram os lucros conquistados para o banco pelo rapaz, Nick começa desviar enormes quantias de dinheiro para cobrir as perdas de suas próprias apostas financeiras. Com dívidas comparáveis ao seu desespero, Nick decide arriscar tudo numa jogada definitiva para burlar o sistema e recuperar todo o dinheiro que já perdeu.

 

Barings quebrou após desvios
Por Milton F.da Rocha Filho
 

Disponível em: <http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20080125/not_imp114829,0.php>. Acesso em: 27. jul. 2008.


Nos meios financeiros, o nome de Nick Leeson foi lembrado a partir do momento em que o banco francês Société Générale (SocGen) divulgou a fraude responsável por um buraco de ? 4,9 bilhões em suas contas. Leeson foi o homem que praticamente levou ao fechamento o banco de investimentos Barings, o mais antigo em operação no Reino Unido, ao desviar o equivalente a US$ 1,5 bilhão. Agora, a fraude foi praticada pelo francês Jerome Kerviel, um funcionário do SocGen.

Para evitar o fechamento do Barings, em 1995, foi feita uma negociação com o ING, da Holanda, surgindo o ING Barings. Leeson perdeu cerca de US$ 1,5 bilhão com especulações em contratos de futuros na área de derivativos.

Leeson foi identificado como o fraudador, e tudo começou com uma perda US$ 20 mil por meio de um funcionário que trabalhava com ele. Foi no jogo do mercado financeiro que Nick Leeson ganhou e perdeu milhões de libras e levou o mais tradicional banco de investimentos a uma situação de dificuldade. Apostar alto nos derivativos, o mais arriscado segmento do mercado financeiro, foi seu erro.

Consecutivas quedas na Bolsa de Valores de Tóquio, acentuadas pelo terremoto em Kobe em 1994, fizeram com que ele perdesse uma fortuna. Na autobiografia A História do Homem que levou o Banco Barings à falência, Leeson contou como encobriu as perdas na conta chamada de erro 88888 e como escondeu, durante dois anos, a situação financeira do Barings em Cingapura, enganando auditores e a própria bolsa.

Em fevereiro de 1995, quando o escândalo estourou, fugiu para a Inglaterra, mas foi preso ao fazer uma conexão em Frankfurt. Em seguida, foi extraditado para Cingapura, onde foi condenado a seis anos e meio de prisão por fraude no sistema financeiro.

Leeson nasceu nos subúrbios de Londres e, aos 25 anos, era considerado um gênio das finanças, responsável pelos negócios do Barings no volátil pregão de Cingapura. Ele tinha 28 anos quando praticou a fraude.

O caso de Nick Leeson provocou mudanças por parte de auditorias nas análises de balanços de instituições financeiras. Algumas foram consideradas culpadas por não terem enxergado nos balanços as fraudes praticadas por Leeson.

OS MAIORES GOLPES

Société Générale: o banco francês foi vítima de golpe protagonizado por um de seus empregados e anunciou perdas de 4,9 bilhões - um recorde em fraudes cometidas por uma única pessoa.

Sumitomo: Yasuo Hamanaka, conhecido como ?o rei do cobre,? era responsável pelas atividades no setor de cobre da companhia japonesa Sumitomo Corp. Por dez anos, ele realizou operações fraudulentas que subtraíram US$ 2,6 bilhões da empresa entre 1986 e 1996. Hamanaka imitava assinaturas de seus superiores ao lidar com corretores estrangeiros e realizava transferências de fundos.

Barings: O banco de investimentos mais antigo da Grã-Bretanha esteve próximo da falência em 1995 após um de seus funcionários, Nick Leeson (de 28 anos), perder US$ 1,5 bilhão ao fazer especulações em contratos de futuros na área de derivativos. As dívidas se acumularam em uma conta secreta com código 88888, que ele escondia de auditores. Leeson foi descoberto e preso, mas libertado quatro anos depois por estar com câncer de intestino.

Allfirst (2002): Em fevereiro de 2002, o banco irlandês Allied Irish Bank (AIB) cumunicou que um corretor havia dissimulado US$ 691 milhões em perdas em operações de câmbio. John Rusnak, que trabalhava havia sete anos no Allfirst (braço americano do AIB), reconheceu que havia realizado operações de câmbio fictícias para cobrir perdas que sofrera nos anos 90. Em 2003, foi condenado a 7 anos e meio de prisão e a pagar todas as perdas que causou ao banco.

Calyon (2007): Em setembro do ano passado, um corretor do Calyon em Nova York (filial de financiamentos do banco francês Crédit Agricole), provocou uma perda fiscal de US$ 364 milhões. Esse funcionário atuou sem permissão em mercados de crédito, usando grandes quantidades de dinheiro e correndo riscos excessivos.

 

Volume de fraude na França choca operador que quebrou banco

Disponível em: <http://www.estadao.com.br/geral/not_ger115218,0.htm>  . Acesso em: 23 jul. 2008.

Nick Leeson, cuja história virou filme, disse que bancos não fecharam brechas, mas que não se surpreende

SÃO PAULO - O ex-operador de mercado inglês Nick Leeson, que em 1995 foi o responsável pela fraude que levou à queda do banco Barings, disse que ficou surpreso com o volume de dinheiro movimentado na fraude que atingiu o banco Société Générale, o segundo maior da França.

Apesar disso, Leeson - cuja história foi contada no filme A Fraude, de 1999, estrelado por Ewan McGregor - disse que não se surpreendeu com o fato, em si, da fraude ter ocorrido.

"A primeira coisa que veio à minha mente não foi necessariamente o choque de que isso poderia ocorrer de novo - acho que as operações desonestas são, provavelmente, ocorrências diárias nos mercados financeiros. O que realmente me chocou foi o tamanho (da fraude)", disse Leeson à BBC.

Na quinta-feira, o Société Générale anunciou ter perdido US$ 7 bilhões por causa de fraudes cometidas por um único operador. O banco ainda não divulgou seu nome, mas a imprensa francesa o identificou como Jerome Kerviel, de 31 anos.

Essa é uma das maiores fraudes de todos os tempos já cometidas por um único operador contra um banco. O Société Générale já abriu uma queixa formal contra o operador, que foi suspenso das atividades e estaria desaparecido.

Buracos

Para Leeson, as fraudes ainda são possíveis porque os bancos não taparam os "buracos" nos sistemas de segurança.

"Eles não fecharam as brechas. Acho que quando você olha para o que os bancos estão tentando fazer, (vê que) eles se focam em fazer dinheiro."

Leeson foi gerente de operações de mercados futuros no banco Barings em Cingapura, e em 1995 causou prejuízos de quase US$ 1,4 bilhão com operações nos mercados asiáticos, acabando com as reservas do banco e provocando sua quebra.

"O que eu queria, e tenho certeza de que é o que este rapaz queria também, era o sucesso. Sucesso foi o que o levou a fazer isso", disse Leeson, que cumpriu pena de quatro anos pela fraude em Cingapura.

"O maior medo dele era o de fracasso. (...) Ele sobreviveu um dia, uma semana, um mês. Finalmente, você começa a acreditar que talvez não seja tão ruim assim."

"Há um grau de compulsão também - ele acredita que está certo, e que no final a posição vai se inverter. E infelizmente isso não ocorreu."

Atualmente, Leeson é o presidente de um clube de futebol irlandês.

Nesta sexta-feira, o Société Générale publicou um anúncio de página inteira nos principais jornais franceses, pedindo desculpas aos acionistas.

"Eu entendo sua decepção, sua raiva. A situação é perfeitamente inaceitável", escreveu o presidente do banco, Daniel Bouton.

 

Perguntas:

a) Com base no filme, como você poderia apresentar e descrever os mercados derivativos?

b) Qual o tipo de contrato derivativo mais enfatizado no filme?

c) O que são as contas margem?

d) Por que as operações apresentadas no filme são consideradas alavancadas?

e) Qual a razão da conta dos cinco oitos, 88888?

f) Por que Leeson sempre buscava correr riscos crescentes?

g) Por que os outros executivos do banco incentivavam as práticas de Leeson?

h) Para você, de quem foi a culpa pela quebra do banco?

 

   

Comentário do autor para professores e alunos:

O início dos livros As Decisões de Investimentos e Avaliação de Investimentos discutem quais os objetivos das decisões financeiras.

No livro As Decisões de Investimentos, leia o Capítulo 2 e entenda as particularidades associadas à decisão de investimento.

No livro Avaliação de Investimentos, leia o Capítulo 1 aprenda sobre as decisões financeiras, seus objetivos e conflitos. Busque entender a importância da análise do risco no processo de tomada de decisões.

Clique aqui para conhecer os outros livros.

 

Referências:

Informações complementares podem ser vistas nos links:

http://br.cinema.yahoo.com/filme/8496

http://www.choveu.net/locadorafilme/dvd.aspx?keyfilme=155

http://www.2001video.com.br/detalhes_produto_extra_dvd.asp?produto=11701